1 – UM GRANDE NAZAREANO – GONÇALO PINHEIRO “Gonçalinho”

GONÇALO PINHEIRO
“Gonçalinho”

Nazareano, nasceu em 20 de setembro de 1909, no bairro do Moinho, Município de Nazaré Paulista.
Faleceu em 17 de maio de 1999, com noventa anos de idade e seu corpo foi enterrado no cemitério de Nazaré Paulista, após ser velado e encomendado pelo Pároco Padre Domênico Cristófano.

Ainda criança, jovem, perdeu seus pais e passou a morar ainda no bairro do moinho, e ser criado por seus padrinhos, Chico Lúcio e D. Benedita.
Aos seus dezoito anos, atingindo a maioridade, aventurou-se em vir à São Paulo, enfrentando muitas dificuldades, conseguindo ingressar no serviço público estadual indo trabalhar como contínuo na Secretaria da Fazenda do Estado, na Avenida Rangel Pestana, onde sempre serviu até a sua aposentadoria.

Casou-se em 1942 com Aurora Barbosa Pinheiro, também nazareana, nascida no bairro do Cuiabá, cega mas ainda viva, filha dos finados Joaquim Barbosa e Alexandrina Barbosa, moradores do Bairro do Cuiabá, e com quem teve um único filho, José Carlos Pinheiro, Químico Industrial, morador em Santos.
Em 1943 mudou-se para São Paulo, residindo nos bairros de Cambuci e da Água Fria, mas sempre que tinha oportunidade vinha para a sua sempre cidade natal, especialmente nas ocasiões das festas religiosas. Sua casa era frequentada e conhecida por seus colegas nazareanos. Serviu de moradia e hospedagem a vários nazareanos que se aventuravam em procurar trabalho em São Paulo.

Uma sua especial característica era o acentuado amor e esmerada dedicação à Nazaré Paulista. Nestas suas vindas, apesar de sua simplicidade, humildade e sem maiores posses, sempre convidava e fazia questão de trazer seus chefes ou companheiros de trabalho para conhecer nossa cidade e nossas tradições festivas. Foi um entusiasta e atuante propagandista da cidade de Nazaré Paulista e de suas festas religiosas. Era ardoroso devoto à padroeira de nossa cidade, Nossa Senhora de Nazaré. Assistia e participava de todas as solenidades religiosas.

Uma outra sua marcante característica foi a sua acendrada fraternidade, ao amor ao próximo em especial aos menos favorecidos.
Em 1965 com o apoio e aprovação do Monsenhor Afonso Kurschewski, pároco da igreja de Nossa Senhora de Nazaré, fundou o então primitivo Hospital e Asilo da Assistência Social Nossa Senhora de Nazaré. Estabelecido nas instalações da hoje Creche Gonçalo Pinheiro, sito à Avenida Vicente de Paula Penido, abrigava, sem distinção, os doentes, os idosos e as pessoas carentes dos bairros que vinham para as festas da cidade. Nesse local, com a ajuda de funcionárias dedicadas, com dois quartos com oito camas hospitalares cada, camas estas conseguidas por doação do Hospital Militar da Força Pública, quartos divididos entre homens e mulheres, três sanitários, uma farmácia, sala de reunião, cozinha, depósito, amplo estacionamento e local de repouso.

O atendimento médico era gratuito e realizado quinzenalmente. Os pacientes eram examinados, medicados e recebiam os remédios.
Além do hospital a Assistência Social promovia a distribuição mensal de alimentos provenientes através de um programa realizado pelo governo americano.
Por ocasião do natal também promovia a distribuição de presentes e brinquedos às criança da cidade.

Em todas estas atividades o Sr. Gonçalo Pinheiro tinha participação ativa, dedicando seus últimos vinte anos de existência com um empenho exemplar às questões assistenciais, sem qualquer benefício próprio, sempre se distinguindo em ajudar o próximo.
Recursos para essas atividades eram proveniente das contribuições dos associados elegidos e contatados pelo próprio Gonçalo Pinheiro. Era ele, pessoalmente quem se encarregava de visitar e coletar mensalmente, as contribuições. Coletava contribuições de seus colegas funcionários da Secretaria da Fazenda, os quais eram convidados a visitarem a sede da Assistência Social e as festas religiosas da cidade, ficando hospedados na casa de sua sogra Alexandrina, no pátio da Igreja, hoje residência de sua sobrinha, Sônia Aparecida Santos.

Gonçalo Pinheiro teve sua vida pautada pelo que mais gostava e se dedicava, ajudar e atender as pessoas com atenção, proteção e respeito.
Durante a sua trajetória de vida deixou uma legião de amigos e admiradores, que até hoje recordam com muita saudade a dedicação que ele sempre prestou a todas as pessoas que o conheceram e com ele conviveram.
Em 18 de junho de 2012, numa justa e merecida homenagem póstuma, a Câmara Municipal e a Prefeitura Municipal de Nazaré Paulista aprovaram a lei nº1645/2012, dando a denominação de seu nome à Creche da cidade, Creche Municipal de Nazaré Paulista “Gonçalo Pinheiro – Gonçalinho”.

NA HISTÓRIA DE NOSSO MUNICÍPIO E DE NOSSA CIDADE, MUITOS NAZAREANOS SÃO DIGNOS DE SEREM LEMBRADOS E HOMENAGEADOS PELO MUITO QUE FIZERAM E ENGRANDECERAM EM BENEFÍCIO DA COLETIVIDADE NAZAREANA.
SÃO MUITOS OS QUE DEVOTARAM SEU AMOR À NAZARÉ PAULISTA; ALGUNS PODEM TER IGUALADO, MAS NENHUM, CREIO, SUPEROU O AMOR DE GONÇALO PINHEIRO, “O GONÇALINHO”.
A NOSSA CIDADE NÃO SOUBE, AINDA, REVERENCIAR À ALTURA, A OBRA E A MEMÓRIA DO ILUSTRE NAZAREANO GONÇALO PINHEIRO.
IMENSO LHE DEVE NAZARÉ PAULISTA…

Oscar T. Pinheiro do Carmo
Nazaré Paulista, 11/04/2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *