35. SOBRE A TRANSFERÊNCIA E A DESPEDIDA DO PADRE MÁRCIO

 SOBRE A TRANSFERÊNCIA E A DESPEDIDA DO PADRE MÁRCIO CANTELI DA PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE NAZARÉ.

REFERÊNCIAS: blog (padremarciocanteliblogspot)

                          1 – Carta de despedida de Nazaré.  (23 dez 2017),

                          2- O ano da mudança: 2018 ou 2017  (25 dez 2017).

 

“ DOS PADRES, OU FALAR BEM, OU ENTÃO NÂO DIZER NADA “. 

 Foi baseando-me neste sábio refrão de Dom Bosco que decidi me calar e contive o momentâneo desejo de rebater ou retrucar, muito embora estivesse indignado e irresignado com certas palavras e afirmações proferidas pelo Padre Márcio, a meu ver, inadequadamente ditas em alguns sermões de missas dominicais do final do mês de dezembro, palavras críticas e ofensivas aos fiéis presentes e à comunidade nazareana. Optei por convidar alguns paroquianos para, em outro local e momento mais adequado, solicitar esclarecimentos e conhecer as verdadeiras razões para aquele estranho comportamento e pelo pedido de transferência da nossa Paróquia. O encontro não foi realizado pois o Padre já viajara para sua nova Paróquia, em Pinhalzinho. 

E decidi, cautelosa e respeitosamente devido ao momento da celebração eucarística, silenciar em respeito ao presbítero, ao local sagrado da igreja, à imagem de nossa padroeira e aos paroquianos e visitantes presentes. Calei-me e refreei o ímpeto de perguntar o motivo pelo qual estaria decepcionado com os nazareanos, ou como teria dito,… “com o povo de Nazaré”.

Em outras missas, após a proclamação do Santo Evangelho, com uma aparente fisionomia de descontentamento, virou as costas aos fiéis, retornando à mesa do altar sem fazer a homilia, e após a bênção final não se voltou à imagem da Santa Padroeira incrustrada no altar para rezar a costumeira Ave-Maria.

 Veio-me então à mente a expressão cristã que há pouco havíamos rezado:…

” PERDOAI AS NOSSAS OFENSAS,  ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS AOS QUE NOS TEM OFENDIDO…”.

 

A chegada e a acolhida ao Padre Márcio à Nazaré:

No dia 14 de setembro de 2014 chegava à Nazaré o Padre Márcio Canteli, acompanhado pelo Padre Eli Dentello.

Na missa das 19,30 horas daquele dia, celebrada na Igreja Matriz “Nossa Senhora de Nazaré,  o Padre Edson Gomes, então Padre Forânico de Atibaia e representando o Sr. Bispo Diocesano, D. Sérgio Aparecido Colombo, deu posse, procedeu a leitura da Provisão Diocesana nomeando o Padre Márcio como Vigário da nossa Paróquia.

Com a Igreja lotada  de fiéis, os Padres Eli e Márcio foram saudados com salva de palmas e palavras de boas vindas.

 

A despedida de Nazaré:

E em 10 de janeiro de 2018, após  quatro  anos e quatro meses de permanência à frente de nossa Paróquia, assistimos à sua despedida e à sua última missa em nossa Igreja, quando foi saudado por um representante dos acólitos que  manifestou o nosso respeito e nosso agradecimento pela sua capacidade sacerdotal e pelo seu cumprimento aos deveres de presbítero. O Padre Márcio fora transferido para a Paróquia do Município de Pinhalzinho. 

 

Os documentos postados  pelo Padre:

Foi só agora em janeiro de 2018 que tomamos conhecimento de documentos postados pelo Padre Márcio em seu blog:

-Carta de Despedida de Nazaré Paulista – 23 dez 2017, e

-Expressões – O ano da Mudança – 2018 ou 2017 ?

E em razão do teor dessas postagens tornadas públicas, é que, ao invés de me tornar calado e silente diante do conteúdo, resolvi escrever essas considerações.  E resolvi falar, e falar bem do padre, mas objetivando e desejando obter explicações sobre os verdadeiros motivos que levaram  a pedir a sua transferência da nossa Paróquia e de culpar de modo genérico,  o povo de Nazaré.

 

A difícil missão do Padre:

Bem se sabe o quão difícil é a missão de um  Sacerdote, mormente de um Padre recentemente ordenado,  à frente de uma Paróquia mais do que tricentenária, e por onde aqui passaram cerca de 101 dirigentes espirituais. Sua missão exige dedicação, abnegação, respeito e, sobretudo consideração e perdão. O Padre tem que santificar, ensinar, guiar e dar exemplo de religiosidade, mas, antes de ser uma tarefa missionária é um dom divino. Doar a vida ao Pai e aos irmãos é o supremo sacrifício de louvor e da maior prova de amor.

Ser Padre  é amar a comunidade. O verdadeiro pastor é aquele que se coloca  a serviço da comunidade, sendo capaz de amá-la ate o fim.   (jo 21, 15-17).

Padre é aquele que Deus acolheu com amor e misericórdia, para que aprendesse Dele o acolhimento, a compaixão, a compreensão e o perdão  aos que não concordem com o seu modo de evangelizar.

 

As dificuldades:

Padre Márcio!   Tu, como todos nós temos defeitos e fragilidades. Tu o sabes e reconhece, assim como nós o sabemos. És humano, como nós. Mas não se entristeças e nem nos acuse ou culpe a comunidade nazareana por isso. Os Padres são chamados à santidade, mas convivem com as fragilidades. É preciso que tenham os pés no chão e que tenham a humildade de reconhecer as suas condições humanas. Lembra-te com alegria de nós, nazareanos, que recebemos de tuas mãos a eucaristia e que nos reconciliamos na Fé. Lembra-te, sobretudo, da Comunidade Católica Nazareana que te acolheu e que ora te agradece.

 

 A decepção:

É difícil entender e compreender o verdadeiro significado das afirmações postadas pelo Padre na mídia e no seu blog, referidas e destinadas aos nazareanos, em 25 de dezembro, com o título de “O Ano da Mudança – 2018 ou 2017 ?” e em sua Carta de Despedida de Nazaré Paulista, de 23 de dezembro de 2017.

 Desses documentos destacamos as seguintes frases:

“foi 2017 o ano de muitas e profundas mudanças em minha vida.”

“Só quem viveu uma experiência de grande decepção vai entender tudo o que eu passei nesse último ano aqui em Nazaré Paulista.”

“Essa decepção me mudou muito. Infelizmente me fez perder o que eu mais estimava que é o amor e a dedicação em fazer o melhor para o povo de Deus. Perdi a vontade de dar o melhor de mim.”

……”Só recuperei o entusiasmo sacerdotal com a notícia que meu pedido de renúncia da Paróquia  foi atendido pela Diocese.”

…”O motivo da  minha renúncia foi a grande decepção que tive com o povo desta cidade “ Como dizem: “o povo daqui é assim mesmo”. Ficam falando mal de mim pelas costas…

…”Recebi poucos apoios e muitas incompreensões e críticas”. …”

…”Percebi que era criticado… por causa da nova casa paroquial.”

…Devo reconhecer … muitos desentendimentos com algumas pessoas devido às incompreensões de ambas as partes e pela minha falta de experiência  sacerdotal e administrativa”“…

… O problema não está em mim…

…Sou só mais um padre que vai embora por causa desse povo…”

…Outros Padres … que também foram embora daqui decepcionados com esse povo…”

…“Reconheço que ainda preciso crescer mais nesse tipo de relacionamento…”

“Todas essas experiências  de 2017 eu considero como uma casa que desmoronou…”

Acresce-se a esses  escritos uma outra expressão dita pelo Padre Márcio logo após um sermão de missa dominical na nave principal de nossa Igreja:  …”é grande minha decepção com o povo nazareano…”

E é também lamentável a última expressão inapropriada e com presunção de maldade em  teus escritos: … Espero que  “os lobos em pele de cordeiro morram de fome”.

 

Os agradecimentos:

__Revmo. Padre Márcio:

Como o bom Pastor que dá a vida por suas ovelhas, tu destes uma parcela de tua vida sacerdotal à Nazaré e aos Nazareanos. Nós te agradecemos pelas tuas boas e sacerdotais obras. Obrigado por nos incentivar e nos dar o exemplo de perdão e de amor fraterno e de “olhar tudo com o mesmo olhar que Jesus olhou”!

Por fim, e respeitosamente, permita-nos lembrar-te que por essa nossa mais do que tricentenária Paróquia passaram 101 Padres, que o antecederam e que com certeza muito por nós fizeram; sendo que um deles, o Monsenhor Afonso Kurchewsky, aqui exerceu seu sacerdócio por cerca de 24 anos (1943-1967), bem administrou a nossa igreja com a grande e majestosa reforma de 1949 a 1953; e que, o povo de Nazaré, como referistes, o elegeu para ser, não só um memorável sacerdote, mas também o Prefeito de nosso Município.

 Aquele bom sacerdote soube bem evangelizar o povo nazareano e bem administrar a nossa Igreja.

Outros Padres que o antecederam receberam o título de cidadão Nazareano outorgados pela Câmara Municipal.

__Nós, humildemente,  te pedimos, Padre Márcio, releve e perdoe os que porventura o decepcionaram; os que por algum motivo discordaram; e os que pecaminosamente, criticaram ou falaram mal de um  Padre que por aqui passou.

Deus te pague, o abençoe e o perdoe.  Que o Divino Espírito Santo a quem nós nazareanos muito devotamos e festejamos, o ilumine, e que Nossa Senhora de Nazaré, nossa padroeira o proteja em sua nova caminhada.

 

Nazaré Paulista,  janeiro de 2018

 

É O QUE PENSA UM  GRUPO DA COMUNIDADE CATÓLICA NAZAREANA.

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *