13 – 0S CAMINHONEIROS DE NAZARÉ PAULISTA

“HOMENAGEM AOS CAMINHONEIROS DE NAZARETH”

MEADOS DO SÉCULO XX – 1944

Nazaré Paulista – Antiga Nazareth – Município de: 

                                 -lenha – lenhadores – lenheiros

                                 -carvão – caieiras –  carvoeiros

                                 -caminhões – motoristas – caminhoneiros

  1. MUNICÍPIO DE “NAZARETH”

Esta era a denominação oficial do nosso município até o ano de 1944, quando através do Decreto-Lei nº 14.334 do dia 30 de novembro deste mesmo ano passou a denominar-se Nazaré Paulista, para distinguir-se de outros municípios homônimos, brasileiros e estrangeiros, e evitar as constantes confusões com correspondência e embaraços ao correio nacional. ( Nazaré, Maranhão; Nazaré, Bahia; Nazaré da Mata, Pernambuco; Nazaré do Piauí, Piauí; Nazareno, Minas Gerais; Nazário, Goiás; Nazaré, Portugal;  Nazareth, Belgica; Nazareth, Estados Unidos; Nazareth, Israel; Nazarjevo, Rússia ).

  1. LENHA E CARVÃO –

Uma das mais importantes atividades econômicas do nosso Município naquela época, foi o extrativismo vegetal. Era muito comum a derrubada e a queimada da mata nativa e natural, seguida do corte à machado dos seus troncos e galhos, transformando-os em lenha, e a sua posterior industrialização através de processos primitivos, em carvão vegetal. Essa transformação era efetuada através das “caieiras” (montes cônicos de lenha, cobertos com barro, com entrada para a combustão e chaminé para a saída da fumaça)  e posteriormente através dos “fornos cavados no terreno” para o cozimento da lenha e a produção do carvão.

  1. OS CAMINHÕES DE LENHA E CARVÃO –

A lenha e o carvão, destinados a servirem de material de combustão e geradores de energia para as indústrias paulistas, tinham que ser transportados até as empresas consumidoras que se situavam no parque industrial´paulista. Naquela época os fornos e fornalhas industriais eram alimentados por lenha ou carvão, e só algum tempo depois é que foram substituídos por óleo ou energia elétrica. Daí surgiu a importante atividade de transporte rodoviário por meio de caminhões. E surgiram os caminhões e os caminhoneiros, os motoristas e ajudantes de caminhão, os caminhoneiros  nazareanos das estradas de terra.

  1. OS PRIMEIROS DONOS DE CAMINHÕES

O jornal semanal nazareano “A Folha”, na sua edição de 19 de julho de 1925, publicou a seguinte nota: “A 1ª Companhia de Transporte –  … Nazareth, já dotada há muito de boa estrada  de rodagem, vê aparecer com enthusiasmo uma companhia de transporte à estação. Os distinctos snrs. Raul Salomão e João Silvano Pinheiro, abastados negociantes nesta praça, adquiriram um auto bond e um caminhão para fazer todos os serviços de transporte de Nazareth aos vizinhos lugares, plantando assim mais um marco de progresso para o esperançoso futuro desse município”…

  1. OS PRIMEIROS CAMINHÕES

Jornal “A Folha”, de 26 de julho de 1925:…”Em 23 de julho de 1925 chegou a esta cidade o caminhão e o auto bond, o que causou grande enthusiasmo na população. A afinada banda “Lyra de Euterpe”, regida pelo maestro snr Clementino de Passos percorreu as ruas de nossa cidade, acompanhada de grande massa popular e em seguida dirigiram-se à residência do snr. Raul Salomão. Pelos manifestados foi oferecido um copo d’água a seus amigos”…

Dois anos depois, em 22 de maio de 1927, o mesmo jornal publicava: Communicou-nos o sr. José Abrahão, acreditado negociante nesta praça, que acaba de adquirir um possante caminhão, para transporte de cargas da estação de Guaxinduva à esta cidade, e vice versa. Afirmou-nos o mesmo, que por preços vantajosos, faz o transporte de romeiros desta cidade à Aparecida do Norte”.

  1. OS MOTORISTAS PIONEIROS –

Com o advento dos caminhões, deu-se também o surgimento de uma nova atividade profissional em nosso município, os motoristas e os caminhoneiros. A estes, no transcurso da 6ª Festa dos Caminhoneiros de Nazaré, desejamos prestar as nossas sinceras homenagens e agradecimentos pelo muito que fizeram e fazem pela nossa terra.  E dentre os primeiros motoristas, lembramos  Raul Salomão e Juvenal Ponciano de Camargo, ambos já falecidos, sendo que o último tem o seu nome reverenciado com a denominação da rodovia SP-036, que liga a nossa cidade a Guarulhos.   Honra também seja feito ao mais antigo motorista de ônibus de nossa cidade, o Sr. José Minas, hoje aposentado e residente em nossa cidade. Ele, juntamente com o seu irmão, o Benedito Minas, já falecido, transportaram muitos nazareanos, diariamente e  por muitos anos.

AOS PIONEIROS CAMINHONEIROS DE “NAZARETH”,

                                                                                          QUE DEUS OS TENHA!

AOS ATUAIS CAMINHONEIROS NAZAREANOS,

                                                                                          QUE DEUS OS GUIE E

                                          QUE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ OS PROTEJA !  

OBS: 1- Mantida a grafia original dos textos transcritos do jornal.

2- Nazareanos citados:

-Raul Salomão: falecido, comerciante, sogro de Antenor Manoel.

-João Silvano Pinheiro: falecido, motorista, conhecido como João de Campos

-Clementino de Passos: falecido, maestro, pai de Ari, Jairo (Lilo), Tuta, Wilson,

funcionário da Cia. Elétrica de Piracaia em Nazaré Paulista.

-José Abrahão: falecido, comerciante,  imigrante, pai de Augusto Abrahão, avô de

Naeme, Enid, Marlene, Nego, Benedito Salim.

-Juvenal Ponciano de Camargo: falecido, motorista,  funcionário da Cia Elétrica

Piracaia em Nazaré, pai de José Bronzeri e Rosa Camargo.

-José Minas: falecido,  motorista de ônibus da linha Nazaré-Atibaia

-Benedito Minas: falecido, irmão de José Minas, cobrador de ônibus.

3-Foto: Caminhão antigo, com bancos de madeira e cobertura de lona, conduzindo

moradores do Bairro de Santa Luzia em romaria  à Aparecida do Norte.

(Extraído e atualizado dos apontamentos do livro “De Nazareth a Nazaré Paulista”)

 

Nazaré Paulista, maio de 2016

Oscar Teresa Pinheiro do Carmo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *